^

Joelma

Com estreia marcada para setembro de 2013, como parte da programação do VI FIAC-, Festival Internacional de Artes Cênicas, no Teatro do ICBA (Goethe Institut) em Salvador Bahia, esta encenação traz ao publico a historia de Joelma, uma das primeiras transexuais da Bahia e consequentemente do Brasil. Ao longo dos seus 68 anos de vida, ela transitou por distintos lugares (Ipiaú, Salvador, São Paulo) passando por diversos acontecimentos, conflitos e resoluções.  Sua historia resguarda elementos relativos a questões de gênero e de religiosidade (desde cedo ela é visitada pelas “13 almas benditas, sabidas e entendidas”, sua atual casa em Ipiaú, se constitui de um centro-igreja).  Uma historia de afirmação e reinvenção mesmo em frente à preconceitos e injustiças, instaurando respeito e dignidade, por uma postura ética de vida que vai de encontro a uma moral retrograda e preconceituosa exercida pela sociedade.

Cartaz Joelma

A encenação valida vários assuntos e referências que aprofundam o  curta-metragem Joelma (obra matriz deste projeto cênico), que contou com a direção de Edson Bastos.  A encenação teatral Joelma traz diálogos, histórias, personagens, questionamentos e informações que redimensionam o caráter mítico, religioso, filosófico e conceitual da obra cinematográfica, estabelecendo outra criação que engloba o cinema – vídeo (a projeção) como um dos elementos constituintes da cena teatral.

O espetáculo possui uma estrutura fragmentada e apresenta universos diferenciados que são estabelecidos pela projeção, pelas cenas contadas diretamente para o publico, cenas vividas e incorporadas pela personagem, pelas coreografias realizadas e pelos estímulos auditivos estabelecidos.  São trazidos a cena elementos poéticos e descritivos que abarcam a profusão de espaços, tempos e assuntos que são entremeados pela historia de vida de nossa protagonista. Joelma é fragmentação em diversas instâncias: fragmentação do sujeito, do discurso, da narrativa, da menor unidade de ação. (como fala o mentor do filme Joelma, Edson Bastos).

¹Curta Metragem premiado pelo Edital de Cultura LGBT 2008 da Fundação Pedro Calmon. Premiado pelo público como melhor curta nacional do Festival Mix Brasil 2011, em São Paulo. Vencedor do Prêmio ABCV do VIII Panorama Coisa de Cinema, em Salvador. Prêmio de melhor ator para Fábio Vidal no III For Rainbown, em Fortaleza-CE. Foi avaliado pelo Estadão como “um documento importante para a cinematografia LGBT do país”.

 

Ficha técnica

Fábio Vidal (Autoria, direção e atuação)

Edson Bastos (Autoria e direção)

Aétio Filho (Assistência de direção)

Luís Parras (Cenário)

Daiane Sarno (Assistente de cenografia)

Pedro Dultra (Iluminação)

Tuca Gomes (Operação de luz)

Maurício Martins (Figurino)

Francisca Duarte (Costureira)

Marie Thauront  (Maquiagem)

Alê Estrela (Cabelos)

Luciano Simas e Ronei Jorge  (Trilha sonora)

Davi Cavalcanti (Consultoria de projeção)

Henrique Filho (Registro Audiovisual e Prod. de VTs)

Monica Santana e Nilton Lopes (Ass. de Imp. e redes sociais)

Kaula Cordier (Designer)

Alê Novhais (Fotografia)

Viviane Jacó (Produção executiva)

Territorio Sirius e Voo Audiovisual (Realização)

Curta

 

Galeria de imagens

 

Baixe algumas das imagens em alta resoluçãoDownload

 

Divulgação

 

Material gráfico

 

Share

1 comment to “Joelma”

  • Diego Queiroz, outubro 14, 2013 at 7:49 pm

    Gostaria de saber se existe a possibilidade de o espetáculo Joelma vir ao Ceará?
    Caso haja a ideia gostaria muito de receber a informação e colaborar para a divulgação do mesmo em meu estado.

Reply