^

Território Instável– Corpo em Trânsito

DANÇA

Território Instável– Corpo em Trânsito

Facilitadora: Clara Garcia Espada

Datas: 28 /01 a 8/02 (Segunda à sexta)

Horário: 19h às 22h

Carga horária: 40h

 

EMENTA E OBJETIVO GERAL

Nesta oficina transitaremos especificamente no período de exílio de Caetano Veloso e no seu legado poético-musical em língua estrangeira ou que faça referência a esse período. Observaremos as múltiplas qualidades do artista e a sua mutabilidade, focando principalmente no ser estrangeiro, no corpo descontextualizado, mas que traz em sua bagagem a faminta antropofagia tropicalista que já rompia fronteiras seja quando se embriagava da cultura tradicional nacional ou quando influenciava a cultura brasileira contemporânea com o que de melhor pulsava na cultura mundial da época. Desse território instável e sempre em movimento é que construiremos os nossos corpos, as relações com os outros e com o ambiente que nos envolve. Por isso mesmo, a idéiaé oferecer aos participantes diferentes experiências através do contato com espaços públicos que naturalmente propiciam um constante movimento à mostra coletiva final. Pesquisa, observação, experimentação através de improvisações e apropriação de material alheio serão os caminhos utilizados para levantar partituras individuais e coletivas que se transformam pelos diferentes elementos e conexões que compõem a cena, trazendo dinâmica e construindo uma poética coletiva mutante.

 

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

  1. Desenvolvimento de práticas corporais baseadas no trabalho energé
  2. Práticas coreográficas através da dança contemporânea e suas vertentes.
  3. Experimentação rítmica e de musicalidade do corpo.
  4. Estudo da presença cênica.
  5. Consciência corporal.
  6. Desenvolvimento da capacidade de Improvisaçã
  7. Estudo do espaç
  8. Construção de rotinas e treinamentos físicos para o melhor desenvolvimento da atividade artística pessoal.

 

PÚBLICO ALVO

A oficina está dedicada a dançarinos, performers, circenses e atores, também os portadores de necessidades especiais que tenham experiência com movimento e uma consciência corporal prévia.

 

METODOLOGIA

A oficina propõe o desenvolvimento de:

  1. Pesquisa musical do período de exílio, músicas em língua estrangeira e todas suas referências musicais da obra do autor.
  2. Prática corporal: observação e experimentaçã
  3. Interação social e ações em espaços públicos: Atividades diversas de observação, experimentação e apropriaçã
  4. Criação individual e coletiva.

 

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

  • Estabelecimento de rotinas corporais baseadas no trabalho energético. Localização de bloqueios no corpo e desbloqueamento dos canais energéticos. Shaking.
  • Trabalho corporal de anatomia experiencial com o uso de princípios da Técnica release, Feldenkrais, Craneo-sacral e contact improvisation.
  • Isolamentos físicos e fragmentação do corpo. Precisão do movimento: Popping, práticas de biomecânica e pantomima.
  • Respiraçã Coordenação de movimentos e fluxo respiratório. Pausas respiratórias e ecos no movimento.
  • Relaxamento e hipertensão – Percepção Física, escala de tensão e relaxamento, consciência corporal.
  • Viewpoints: Tempo. Espaç Direções e Níveis. Ritmos, Variação de velocidades. Pausas. Resposta Kinestética, Repetição.
  • Composição cênica.
  • Técnicas de improvisação- Contact improvisation, Gaga, jogos teatrais, voz-palabra.
  • Princípios Acrobáticos. O chão: absorção e resistência.
  • Principios das técnicas e danças urbanas: Poppin’, Lockin’, House, B’boying.
  • Estados emocionais e memó
  • Criação de partituras cênicas e material coreográfico

Share